quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

ITAPEMA-ZIMBROS-CANTO GRANDE-MARISCAL-BOMBINHAS-BOMBAS 19/02/2013





Junto com o amigo Paulo Rost (com quem fiz a Volta na Ilha de Fpolis), iniciamos às 08:30h. um pedal por uma região aonde estão boa parte das mais belas praias de Santa Catarina.
O Paulo veio de Fpolis (férias) e eu já estava em Itapema na casa da sogra.


O pedal prometia ser puxado, pois logo na praia do Perequê iríamos pegar uma serra que passaria pelo morro das Antenas e cairia em Zimbros, com uma inclinação bem alta. Como na noite anterior tinha ocorrido uma trovoada forte com uma chuva torrencial por mais de 1 hora, vejam o que encontramos. A princípio era uma estrada com lama e depois virou uma trilha pesada, com pedras grandes e mato tomando conta. Carregando as bikes e acreditando que mais na frente retornaria a estrada, chegamos num ponto aonde não conseguimos galgar uma pequena subida cheia de barro. Achamos por bem, retornarmos e irmos pelo caminho normal de asfalto, via Bombas.
E como não poderia faltar, veio a famosa pergunta: "Quem foi que fez este roteiro"?




Pessoal de moto conseguiu passar.






Na baía de Porto Belo, paramos num local de embarque de barcos de passeio, para comermos nossos sanduíches, aproveitar o belo visual da ilha e como tinha uma torneira ao lado da tenda de embarque, conseguimos limpar as sapatilhas.



Logo após, (isto já era 10:50h), subimos o morro de Bombas, que devido ao alto tráfego (a maioria indo aproveitar o dia nas praias da região),aonde a pista estreita e praticamente sem acostamento, transforma a escalada numa tarefa um pouco complicada.


De Bombas, atravessamos para o Zimbros e fomos até o final da praia, aonde paramos para um descanso e fazermos um lanche. Local bem tranquilo e aprazível. Era uma antiga colônia de pescadores.




Costeando a Av. Girassol, chegamos ao Canto Grande.






De agora em diante, iríamos enfrentar a parte mais pesada do trajeto, pois estávamos com o sol queimando (13:30h) e uma subida bem puxada para chegar na praia da Tainha. Iniciamos no nível do mar e terminamos no mesmo. Conclusão: subida dobrada. Mas cada desgaste da volta do pedal encontra a recompensa lá no outro lado. Uma praia ainda bastante preservada e recheada de turistas, na maioria argentinos, que lá vão passar o dia.
Aproveitarmos para reabastecer o estoque de água e fazer um lanche, aonde pagamos preços bem salgados.







Retornando, passamos pela Praia do Mariscal, outra com água bem limpa e bonitas pousadas, subimos o morro e fomos até a Praia de 4 Ilhas. A descida do morro no sentido Bombinhas, agora está asfaltada e foi contemplada com trecho (2 km.) de ciclovia.




A origem de 4 Ilhas é porque a praia fica em frente a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, que é constituída pelas ilhas de Galés, Arvoredo, Deserta e pelo Calhau de São Pedro.
Chegamos em Bombinhas e a projeto inicial era irmos até o praia Retiro dos Padres, mas devido o horário resolvemos retornar dali.
Como sempre, Bombinhas é a praia mais movimentada de todas.


Bombas já é bem mais tranquila.


E para dar um sabor especial, nada melhor que um morrinho (de Bombas para Porto Belo) para indicar que a pedalada estava quase chegando ao fim.
Em Porto Belo, fomos até o trapiche que dá acesso a visitação na Ilha de Porto Belo, que é um bom programa para quem está veraneando.




Via Praia do Perequê, chegamos em Itapema às 17:30h.
O ideal é fazer este roteiro fora da temporada, pois o trânsito é muito intenso pela região e no final de tarde muitos voltam para sua praia de origem, como Itapema e Balneário Camboriú, além do sol forte.

Pedalar com o Paulo é sempre tranquilo e agradável.

Km. do dia: 61,9
Altimetria acumulada no gps: 1.229 m.
Track: aqui

JOINVILLE-ESTRADA DO PICO-BAIXO QUIRIRI_16022013

Sábado, um pouco nublado no início da manhã, eu e o Leandro Koser,  partimos às 07:05h. para um pedal pela região do baixo Quiriri, com previsão de retorno para 13:00h.


Indo pela Estrada da Ilha, Estrada da Fazenda e beirando o Rio Cubatão para depois entrar na SC-301.


Circundamos pela Estrada do Pico, com direito a uma parada na ponte para fotos.




Passamos pela Casa Fleith que aparentemente parece estar concluída.




Mais um pequeno trecho na SC-301 e depois acessamos a Estrada do Quiriri, passando pela margem esquerda do rio, fazendo o retorno na parte alta através do ponte baixa de concreto, aproveitando o belo visual da região, com casas antigas e muitas cachoeiras.




Parada num bar, logo após termos contornado o Rio Quiriri, para um refrigerante e um pouco de conversa como o dono.
E como não poderia ser diferente, a tradicional chegada na Pastelaria Rio da Prata, com pastéis para o Leandro e sanduíche para mim.
Energias renovadas e retorno pela BR-101, acessando pelo Trevo da Expoville, com direito a foto de uma casa bem conservada na SC-301.


Agradeço a companhia agradável do Leandro. Cheguei em casa às 12:30h.
Km. do dia: 75,72.
Track: aqui