segunda-feira, 29 de abril de 2019

Descida do Rio do Rastro 28/04/2019

Aproveitando a visita a fazenda de um grande amigo, Wilson Borges Duarte e a sua esposa, Maria da Glória, aonde fomos muito bem recebidos, resolvi descer a Serra do Rio do Rastro. Estive na fazenda em 2012 (ver) e em 2016 (ver) através das minhas cicloviagens e, diversas vezes de carro, com minha esposa.
Como o tempo estava um pouco instável (choveu muito à noite), fomos de carro até o topo para ver as condições. Um pouco nublado mas nada de anormal para não fazer a descida. Às 11:25h. iniciei o pedal que se estendeu por 18 km. serra abaixo.
Com a pista com alguns trechos ainda molhados, todo cuidado era pouco para não levar um tombo.
Esse pedal marcou o meu retorno aos pedais depois de ter sofrido um cateterismo no final de novembro, para tratar um novo aneurisma (processo de embolização).
Mas o bonito da serra é subir devagar e vir apreciando toda a sua beleza pela sua frente, como fiz das duas vezes anteriores citadas, carregando os alforges e demais tralhas.
Às 12:35h. a minha filha foi me buscar lá embaixo e retornamos a Bom Jardim, para almoçarmos com nossos amigos.

Essa era uma das minhas pendências listada no meu cronograma de pedais. Valeu muito a pena, apesar de ter pedalado muito pouco de morro abaixo.



 






Km. do dia: 18
Altimetria máxima: 1.421m.
Altimetria mínima: 357m.
Track (trajeto): aqui



sábado, 5 de janeiro de 2019

Trekking Pico do Pedra Camboriú 30/12/2018

Como estou afastado temporariamente dos pedais (recomendação médica), tenho me dedicado a caminhadas. Aproveitei o final de ano em Itapema, para conhecer o Pico da Pedra, no município de Camboriú.
O Pico da Pedra ou Pedra da Gurita, fica no Morro da Congonha, com altitude máxima de 680 metros. Em tempo bem aberto ou limpo, é possível avistar Itapema, Balneário Camboriú, Porto Belo e boa parte da orla marítima.
É um ponto estratégico e foi usado pelo Exército Brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, como local de observação.
Domingo, saí 05:00h. de Itapema e às 05:30h. passei no Balneário Camboriú, pois teria a companhia do meu sobrinho (Rogério Wippel).
Na estrada Distrito Vila da Conceição (ou Rodovia dos Macacos), deixamos o carro na entrada da rua Germano Vequi e iniciamos o percurso às 06:15h. Temperatura agradável e logo pegamos algumas subidas íngremes que estavam concretadas.


Vista de Balneário Camboriú.


Conforme íamos subindo dava para observar que o pico do morro estava fechado de neblina.
Ao chegarmos no topo, após o último km. por uma trilha mais pesada e um pouco lisa (choveu a noite), por dentro da mata, se confirmou a cerração intensa.
Nesse trecho final, a altimetria subiu uns 230 metros.




Chegamos às 08:05 h., e ficamos aguardando o tempo abrir para tiramos as fotos.




De vez em quando pequenas frestas de sol surgiam, mas logo em seguida fechava novamente.
Em torno de 10:05h. deu para tirar algumas fotos.

Vista de Itapema.


Nessa pedra, de uns 6 a 7 metros, os mais destemidos sobem por uma corda que está fixa numa lateral, até o topo aonde existe uma plataforma para no máximo 2 pessoas.





Às 10:15h. iniciamos a descida.



Às 11:30h. estávamos de volta ao ponto de partida, agradecendo por dar tudo certo. Eu com 69 anos e o Rogério, com 62, é motivo para comemorar um final de ano dessa forma. Lembramos que o início dos anos 70, nós fazíamos caminhadas da Floresta da Tijuca até o Cristo Redentor.

Km. do dia: 8 km. (o gps registrou só a subida; acabou a bateria).
Altimetria máxima: 665m.
Fotos: Heil e Rogério.
Track (roteiro): aqui

P.S.: existe uma trilha que a maioria usa e que é mais curta, partindo da subida do Morro do Encano, no lado de Camboriú (aqui)