quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Viagem Joinville-São Fco. de Paula. Dia 7:São José dos Ausentes-Cambará do Sul-25/09/2012

O dia amanheceu bem frio e com uma neblina densa. Após o café, começamos o nosso pedal que teve algumas variantes desconhecidas no mapa do trajeto, isto é, algumas perdidas na parte urbana de São José.
Mas logo estávamos na BR-285 e os primeiros 5 km. foram de asfalto. Depois voltamos a nossa conhecida estrada de chão, ora com pedras soltas, ora socadas.




Pousada Vale das Trutas (São José)





Na altura do posto de controle de ICMS,  dobramos à direita e pegamos a RS-020. A BR-285 segue rumo a cidade catarinense de Timbé do Sul, passando pela serra da Rocinha. Existe um projeto bem antigo para ser asfaltada, pois é a interligação mais curta na região, entre os dois Estados.
Neste ponto, dois cachorros (após alguns agrados), resolveram nos acompanhar. Como era um trecho de descida, eles não tinham a mesma velocidade, mas devido a mudança do tempo e com início da chuva, tivemos que parar e colocar as capas de chuva. E lá chegaram os dois.
Era uma trovoada se aproximando e a chuva aumentou muito. Aproveitamos que estávamos chegando na Pousada Flor de Açucena e demos uma parada na esperança que a chuva amainasse.
Fomos muito bem recebidos pelo capataz e proprietário, conversamos uns 30 minutos e quando a chuva acalmou seguimos viagem.
Os cachorros foram mandados embora pelo pessoal da pousada, pois na mesma já tinham 2 ou 3, e poderiam entrar em briga.





A trovoada e a chuva trouxeram uma mudança no clima, entrando um vento forte e baixando a temperatura.
Na localidade de Rio Verde, paramos numa lanchonete ao lado de uma fábrica de celulose (Cambará S.A.) para o nosso lanche/almoço.
Logo enfrentamos um trecho em obra e com algumas subidas fortes e com bastante terra revirada. No topo fomos premiados com um trecho de asfalto até Cambará.
Ao chegarmos na cidade, fomos até a Casa do Turista pegar informações sobre pousadas. Enquanto o Lyra obtinha os detalhes, fiquei de lado de fora e ficando parado dava para sentir a baixa temperatura.
Após não encontrar ninguém para nos atender em uma, na outra o preço estava exorbitante, em outra instalações bem antigas, acabamos ficando na Pousada Pôr do Sol (54) 3521-1390. Ficava na entrada, aonde já tínhamos passado. Possuía calefação que era fundamental com aquele frio todo. Desta pousada já tinha obtido boas informações na internet e conversando com o proprietário fiquei sabendo que grupos de Joinville que foram pedalar na região, também ficaram por lá.
Para compensar o almoço, fomos jantar na Galeteria O Casarão (54) 3251-1711, que pelo site dá para ter uma noção da variedade de comida. Com aquele frio nada melhor do que uma sopa que os gaúchos chamam de agnolini (capeletti), massa com recheio de frango temperada com noz noscada.
A pousada fica a uns 300 m. do restaurante e foi uma opção ideal para não retirarmos as bikes que estavam guardadas.

Km. do dia: 59.
Track: aqui




Um comentário:

  1. Passar a noite com frio, ninguém merece! Nada como um quarto quente e aconchegante para descansar, depois de um dia intenso de pedal.

    ResponderExcluir