segunda-feira, 29 de abril de 2019

Descida do Rio do Rastro 28/04/2019

Aproveitando a visita a fazenda de um grande amigo, Wilson Borges Duarte e a sua esposa, Maria da Glória, aonde fomos muito bem recebidos, resolvi descer a Serra do Rio do Rastro. Estive na fazenda em 2012 (ver) e em 2016 (ver) através das minhas cicloviagens e, diversas vezes de carro, com minha esposa.
Como o tempo estava um pouco instável (choveu muito à noite), fomos de carro até o topo para ver as condições. Um pouco nublado mas nada de anormal para não fazer a descida. Às 11:25h. iniciei o pedal que se estendeu por 18 km. serra abaixo.
Com a pista com alguns trechos ainda molhados, todo cuidado era pouco para não levar um tombo.
Esse pedal marcou o meu retorno aos pedais depois de ter sofrido um cateterismo no final de novembro, para tratar um novo aneurisma (processo de embolização).
Mas o bonito da serra é subir devagar e vir apreciando toda a sua beleza pela sua frente, como fiz das duas vezes anteriores citadas, carregando os alforges e demais tralhas.
Às 12:35h. a minha filha foi me buscar lá embaixo e retornamos a Bom Jardim, para almoçarmos com nossos amigos.

Essa era uma das minhas pendências listada no meu cronograma de pedais. Valeu muito a pena, apesar de ter pedalado muito pouco de morro abaixo.



 






Km. do dia: 18
Altimetria máxima: 1.421m.
Altimetria mínima: 357m.
Track (trajeto): aqui



Nenhum comentário:

Postar um comentário