domingo, 16 de setembro de 2018

Joinville-Poço Grande-Schroeder-Duas Mamas(Serra do Canivete)-Joinville 16/09/2018

Como estou a bom tempo ausente das postagens no blog, hoje vou relatar um trajeto bem conhecido dos ciclistas de Joinville e que considero bem legal, por não ser tão extenso e demorado.
Depois de uma semana com chuvas na região, a previsão para este domingo era de um dia nublado e com pouca precipitação.
Com um roteiro para voltar em torno de meio-dia, convidei o Roberto Egídio Fontana (com quem já fiz alguns pedais) e o Dal'ri (Carlos Alberto) com quem nunca fiz pedal em estrada de chão. Apenas em asfalto.
Às 06:30 h. rumamos sentido sul, seguindo pela Rua Santa Catarina em sua extensão de chão até o encontro com a BR-101. Para não fugir a regra, antes de atravessar o túnel, parada para registrar.


Após uns 2 km., dobramos à direita para a localidade do Poço Grande. Em função das chuvas, as estradas estavam um pouco esburacadas e, em alguns pontos, com um pouco de lama, mas nada assustador. Enquanto pedalamos o tempo ora chovia um pouco, ora abria com umas frestas de sol.




Antes de chegarmos na BR-280 novamente dobramos à direita e após uns 5 km. parada para fotos numa propriedade particular, que estava com sua porteira aberta e, na qual muitos ciclistas tiram fotos.




Pegando a rua Artur Sardagna e logo a rua Ângelo Zanluca, atravessamos os trilhos de trem e passamos em frente a Capela São Pedro Apóstolo. 


Seguindo pela rua Guilherme Tomelin, saímos na Igreja Luterana dos Imigrantes, na Rodovia do Arroz (SC-108).


Logo a uns 900 metros acessamos para Schroeder , através de Schroeder I. Como no dia de domingo o nosso local preferido de parada não abre (Panificadora Flohr), fomos até o posto Mime para um café/lanche e um breve descanso.



Devidamente reabastecidos, iríamos encarar o trecho mais pesado do dia, a Serra do Canivete ou popularmente conhecida pelos joinvillenses como Duas Mamas.




E na chegada no topo, o gps registrou a altimetria.




E com essa etapa vencida, com a chegada novamente de um pouco de chuva, que logo parou, começamos a descida.  Percorremos parte da Estrada Blumenau, com saída no Bar Canarinho e Rodovia do Arroz.
Chegada em casa às 13:00 h.
Agradeço ao Roberto e ao Dal'ri pela agradável companhia.

Km. do dia: 89.
Altimetria máxima: 338m.
Fotos: Heil, Roberto e Dal'ri.
Track(roteiro): aqui


segunda-feira, 21 de maio de 2018

Poço Grande - Putanga 08/09/2016

Divulgando por aqui também, um pedal que gosto muito de fazer. Feito junto com o grupo que participo, Odois Expedição (odois.org).

http://odois.org/160908






domingo, 22 de abril de 2018

Pedalando em Presidente Getúlio 21/04/2018

Hoje foi o dia de conhecermos a cidade de Presidente Getúlio, que tem o título do Vale das Cachoeiras em Santa Catarina, com mais de 60 cachoeiras. Eu e o Beto (Roberto Alexandre Torrens), fomos participar de um pedal organizado pelo Diego Rafael Avancini, com destino ao Sítio Tabarelli.
Saímos de manhã de Joinville, pois o início do passeio estava programado para às 13:30h. Chegamos cedo e aguardamos o horário.
O Diego é um guia autorizado a entrar nas diversas propriedades particulares, aonde estão localizadas a maioria das cachoeiras da região.
Após algumas instruções e recomendações, partimos para o pedal com um grupo de 21 pessoas, com casais, adolescente e até uma menina de 11 anos acompanhada de seus pais.
Saímos na frente do Hotel Cayorá.


Seguimos pela rua Curt Hering e depois entramos na Estrada Mirador (chão).




Após uns 3,5km. nessa estrada, paramos na primeira atração do passeio, o Salto Grahl, que fica no Rio dos Índios. Antigamente funcionava no local, uma serraria e uma atafona.




Seguimos pelo chão pela margem direita do Rio dos Índios. Trajeto muito bonito, com direito a chupar as primeiras bergamotas da temporada, no pé. Foi o momento de relembrar o arremesso  de  casca de bergamota, praticado no tempo da juventude (veja com é fácil ). Foram saboreadas também algumas amoras silvestres bem doces,  presentes nos barrancos da estrada.
Retornamos após uns 4 km., a Estrada Mirador. Logo a 1 km., dobramos à direita, sentido Ribeirão Jacú.




Novamente saímos na Estrada Mirador com parada no ponto alto do dia. Sítio Tabarelli, aonde visitaríamos as Cachoeiras do Cará e Tabarelli.



Abrindo uma porteira e seguindo o guia Diogo Mohr (também ajudou nesse pedal), seguimos por trilha com a bike, sendo a primeira a ser visitada a Cachoeira do Cará, com 61 metros. Parte da trilha foi feita a pé para chegar no local.





Após, continuando com a bike que nos levou até a base de outra cachoeira por uma trilha muito boa, de uns 1,5 km., chegamos na Cachoeira Tabarelli, com 46 metros de altura. Com um bom volume de água, apesar do tempo seco, a sua beleza é de deixar qualquer um extasiado. Pena que o tempo era curto, que não permitia ficar parado ali por uma meia hora, para apreciar toda essa beleza.





Devido o adiantado da hora (+ que 17h.), a fome chegou. Na casa principal, numa varanda com uma mesa bem grande, desfrutamos de um lanche colonial delicioso, com produtos que lembraram muito o meu tempo de criança e jovem, lá na nossa casa e na dos tios e avós, no interior de Brusque. Pão de milho e rosca de polvilho são algumas dessas delícias. O restante deixo na imaginação de cada um e que vem venham a essa local para saboreá-las.

Chegou o momento do retorno do pedal. Viemos direto pela Estrada Mirador, chegando no ponto de partida às 19:00h. Agradeço ao Beto pela companhia.

Um belo passeio. Vou retornar mais vezes para conhecer outras cachoeiras. O Diego foi muito legal com todos, bem como o Diogo que o acompanhou. Recomendo-o para quem quiser agendar pedais ou viagens de bike para conhecer toda a região.

Vídeo editado pelo Vale das Cachoeiras: veja

Ao grupo que participou, deixo o meu obrigado por estarmos juntos.

Km. do dia: 46
Altimetria máxima: 361m.
Track(roteiro): aqui



domingo, 25 de fevereiro de 2018

Pedal matinal no Quiriri de Baixo 24/02/2018

Aproveitando o convite feito pelo Xuxa (Luiz Fernando Lutke), para fazer a volta do Quiriri de Baixo, vou iniciar os relatos de 2018 aqui no blog. O ponto de encontro seria às 06:00h. no Supermercado Amaral, no início da Estrada da Ilha. Quando você gosta daquilo que faz, acordar bem cedo se torna uma tarefa muito agradável.


Equipe reunida (eu, Xuxa, Moa e Cunha), iniciamos às 06:05h. o nosso pedal.

Passagem Por Pirabeiraba bem cedo e seguimos pela Dona Francisca (SC-301), com destino ao portal do Quiriri.



Dobramos à direita no portal e seguimos por uns 3,5km. pelo estrada principal (que agora foi pavimentada com paver), para acessarmos à direita, passando pela primeira ponte sobre o rio Cubatão.


Íriamos seguir pela margem direita do rio Quiriri que faz confluência com o Cubatão, um pouco mais na frente. Dobramos à esquerda após a saída da ponte.





Como agora é época de goiabas, nada como apanhá-las ainda com gotas de orvalho, diretamente no pé. Tinha da vermelha e da branca , ao gosto de cada um.


No final da estrada, paramos na ponte de concreto sobre o rio Quiriri, para um descanso e fazermos um lanche que trouxemos junto.
Local ideal para fotos.




Após a travessia um pouco de subida em torno de 1 km.


A partir de agora, a alegria de todo ciclista. Uma descida de uns 3,5 km. pela margem esquerda do rio Quiriri.
Na ponte sobre o rio Cubatão, paramos num bar para comermos um bolinho de carne feito na hora e colocarmos um pouco de açúcar no sangue (refri).

Antes de sairmos do Quiriri, parada nessa bela casa para as fotos.


E nesse momento, fomos surpreendidos com um drone em cima de nossas cabeças. Um casal no outro lado da rua eram os proprietários. Pedimos para tirar algumas fotos e fomos atendidos.




Se quiserem seguí-los no Facebook, é SB Drones.

E com essa bela foto, encerramos o nosso pedal às 11:00h. Agradeço ao Xuxa, Moa e Cunha pela companhia.


Km. do dia: 82
Altimetria máxima: 210m.
Fotos: Heil e Xuxa.
Track(roteiro): aqui aqui