domingo, 22 de março de 2020

Vale Europeu. Roteiros dias 2 e 3. 15/03/2020



Após uma boa noite de descanso, levantamos cedo, arrumamos todas as tralhas, lubrificamos as correntes e estávamos prontos para percorrer os trechos 2 e 3 do circuito. Nos despedimos das esposas que retornariam um pouco mais tarde para Joinville e também da D. Maria, dona da pousada. Recentemente ela ficou viúva e aos seus 81 anos  continua ativa, sempre com uma boa palavra de fé e estímulo.


Como a pousada não tem café, mas mantém um preço justo (as demais pousadas em Pomerode, com a Osterfest, estão com preços exorbitantes), seguimos às 07:15 h. para uma padaria próxima para o café da manhã.
Às 07:45 h. efetivamente iniciamos o pedal do dia.



 

Saímos pelo bairro Wunderwald, e logo após uns 6 km. da placa do roteiro do segundo dia, começam alguns morrinhos que são os mais puxados dessa etapa. O ponto mais alto chegou a 322 m. de altitude.

Uma paisagem de encher os olhos.


Após, caímos no Vale do Selske, que é um trecho bem plano até chegar na SC-421(asfalto que liga Blumenau a Pomerode).



Após pedalar por 1 km. e pouco no asfalto, dobramos à esquerda para a região denominada Mulde,  A uma altura de 800 m. depois da saída do asfalto, encontramos um pé de goiaba carregado (está na sua época), num terreno vazio e à venda. Como já passava das 10 h., estava no momento ideal de um lanche.


Após mais uns 9 km., numa subida num ribeirão (acredito ser o mesmo nome da rua Ribeirão Souto), tiramos as nossas sapatilhas e refrescamos as pernas, já que o calor e o sol forte mostravam como seria esse dia.




Antes da saída na BR-470 em Indaial, encontramos novamente os nossos conhecidos ciclistas paulistas que estavam lá no topo da serrinha do Rio Ada no dia anterior.

Entrada em Indaial pela Ponte dos Arcos.


Rio Itajaí-Açú e Ponte Victor Konder ao fundo.


Término do roteiro do dia 2.


Como já íamos emendar daí, no roteiro 3 do circuito, seguimos pela margem esquerda do rio, mas não encontramos nenhuma lanchonete aberta ou local para carimbar o passaporte. Voltamos para o centro para procurar o hotel Larsen, aonde fiquei em 20008. Após o carimbo, fomos a procura de algo para comer, sendo que encontramos um buffet simples e quase fechando, na rua Marechal Floriano Peixoto (já passava das 13:40 h.). 
Indaial aos domingos parece uma cidade fantasma.

Partimos às 14:20 h. sentido bairro Warnow, com um sol de fritar ovos no asfalto.

Casa antiga se acabando no tempo.


Pinguela do Warnow, que liga o bairro a BR-470, com sistema eletrônico de controle de semáforo em cada lado.




Casa antiga.


Parada num bar para comprar água e chupar 2 picolés cada um. Calor estava bem forte.

Ponte coberta do bairro.


Após a ponte, são 11 km. de estrada de chão até Ascurra, com as famosas costelas de vacas, terror de ciclistas/cicloturistas.


Em Ascurra, entramos logo à esquerda depois da ponte sobre o Rio Itajaí-Açú, na BR-470. Até Rodeio são alguns quilômetros de muito calçamento de pedra (uns 4). Fomos até a Pousada Cama e Café Stolf, aonde carimbamos o passaporte e fomos muito bem atendidos pelo Marcelo.

Fotos: Dal'ri e Heil.
Km. do dia: 81
Altimetria máxima: 322 m.
Altimetria mínima: 52 m.
Track(roteiro): aqui

Como ainda tínhamos que chegar em Timbó para pegar o carro e voltar para casa, partimos de Rodeio às 17:30 h. e com 17 km., chegamos às 18:50 h. Percurso plano sobre asfalto e com um bom acostamento.

Km. desse trajeto: 17
Altimetria máxima: 116 m.
Altimetria mínima: 69 m.
Track(roteiro): aqui

Chegamos em Joinville às 21:30 h., cansados mas com o espírito renovado. Agradeço ao Dal'ri pela companhia.

Lembrança de 2008. Algumas fotos do pedal deste mesmo trajeto. Bike: Caloi Elite com Alívio 24.






6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Corrigindo** Dona Irene e seu Dande

    ResponderExcluir
  3. Corrigindo ** Dona Irene e seu Dande**

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Antônio.E obrigada por compartilhar os pedais conosco.Ainda quero fazer algum destes trechos contigo, se Deus assim nos permitir.Mesmo que seja de bike elétrica, o que também é uma benção.Santa Catarina, principalmente esta região, é belíssima.

    ResponderExcluir
  5. Mais um dia de muito sol, suor mas também de belas paisagens, novos aprendizados e de boa e saudável com Era A. Realmente chegamos cansados mas com um sentimento de alívio e alegria por ter superado mais este desafio (pra mim sendo a primeira vez) e com sucesso.
    Agradeço ao Antônio pelo convite, pela agradável companhia e dicas, as esposas pelo comprometimento de nos encontrar e a Deus por nós proteger e termos feito todo o trajeto sem nenhum aranhão e nem um pneu furado.
    👌👌👌👏👏👏

    ResponderExcluir
  6. Valeu Dal'ri pela companhia.Apesar de algumas falhas de GPS, chegamos bem no convívio familiar. As bikes suportaram tranquilamente o trajeto.

    ResponderExcluir